Entrevista

Programa apoiado pelo Facebook leva educação emocional a escola pública em Curitiba (PR)

  • 06 de setembro 2018
  • por Carol

Programa Passaporte: Habilidades para a Vida, que desenvolve habilidades emocionais em adolescente e os permitem a lidar com o suicídio. A ação teve início em agosto, no Colégio Estadual Gabriela Mistral, na Vila Izabel, em Curitiba (PR), atendendo cerca de 170 estudantes e mais nove escolas no Brasil.

“Passaporte: Habilidades para a Vida”, trazido ao Brasil pela Associação pela Saúde Emocional de Crianças, beneficiará cerca de 1 mil alunos em 10 escolas públicas com apoio do Facebook

 

 

Tania Paris, fundadora da Associação pela Saúde Emocional de Crianças (ASEC) explica como funciona o projeto.

 

 

 

 

A Associação pela Saúde Emocional de Crianças (ASEC), com apoio do Facebook, expande neste mês programa que visa ampliar o repertório de estratégias de adolescentes para lidar com situações difíceis, o que reduz suicídio e bullying.

A iniciativa procura desenvolver nos alunos habilidades emocionais e sociais para enfrentar positivamente os problemas do dia a dia. A ASEC, organização parceira do Centro de Valorização da Vida (CVV), levará o programa a cerca de 1 mil jovens, entre 11 a 14 anos, de 10 escolas públicas espalhadas pelo Brasil.

 

De agosto a novembro, os educadores das instituições de ensino que foram capacitados para o programa trabalharão com alunos questões como emoções, relacionamentos, situações difíceis, justiça, equidade, mudanças e perdas.

Os temas serão abordados em sala de aula a partir de histórias em quadrinhos, discussões e atividades lúdicas. O projeto começa por escolas públicas nas cidades de Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Duque de Caxias (RJ), Gaspar (SC), Goiânia (GO), Manaus (AM), São Luís (MA), São Paulo (SP), Salvador (BA) e Vila Velha (ES).

 

“Tão ou mais importante quanto o desenvolvimento acadêmico é cuidar do desenvolvimento emocional das crianças e jovens. Problemas como bullying na escola, dificuldade de relacionamento com os amigos, excesso de timidez, baixa aceitação da própria aparência física, trazem muito sofrimento, que nem sempre é facilmente percebido pelos pais, professores e responsáveis. Por isso, a promoção do bem-estar emocional dos jovens é tão importante, e é com esse propósito que estamos levando o programa a escolas pelo Brasil,” afirma a fundadora da ASEC, Tania Paris.

 

Desenvolvido com base em pesquisa, ao longo de seis anos no Canadá, com financiamento da Agência de Saúde Pública do país, o programa foi liberado para implantação internacional após os testes realizados pela Université du Québec à Montréal (UQAM), com quase 2 mil jovens de 20 escolas, mostrarem que houve uma melhora significativa nas habilidades sociais, na empatia e na assertividade dos jovens após a realização das atividades propostas pelo programa.

 

“Como parte de nosso trabalho para construir uma comunidade segura dentro e fora do Facebook, estamos constantemente buscando apoiar esforços liderados por organizações como a ASEC. Acreditamos que esforços educacionais como esse são uma ferramenta essencial para a segurança de crianças e adolescentes, bem como para a prevenção do bullying e suicídio”, diz a gerente de Programas de Segurança para América Latina no Facebook, Daniele Kleiner.

 

 

Sobre a ASEC

A Associação pela Saúde Emocional de Crianças (ASEC) é uma entidade sem fins econômicos, com equipe multidisciplinar e atividades que promovem saúde emocional para crianças, professores, pais e adultos em geral. Atuando desde 2004 com o programa educacional Amigos do Zippy e seus subprodutos, a ASEC já beneficiou mais de 300 mil pessoas no Brasil.

A implementação dos programas é feita por meio de parcerias com secretarias municipais ou estaduais de educação, escolas particulares, entidades educacionais, empresas, centros de assistência social, fundações e institutos interessados em viabilizar a educação emocional no Brasil.

A ASEC realiza avaliações do impacto de sua intervenção em todos os públicos que participam de seus programas e cursos, comprovando sua eficácia. A associação é reconhecida como Entidade de defesa dos Direitos Humanos pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo e é registrada no Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de São Paulo.

Sua metodologia de capacitação de educadores em Educação Emocional foi reconhecida pelo MEC como Metodologia Educacional promotora da Educação Integral e Integrada.

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *